Saiba Sobre a Seletividade de Disjuntor para Proteção!

O objetivo do disjuntor é desarmar um determinado circuito em função de sobrecarga ou curto-circuito. Mas você já pensou quais os problemas causados pelo fato do disjuntor desarmar? Ou melhor, os problemas de um disjuntor desarmado no momento errado?

Se você quer saber mais sobre a Seletividade de Disjuntor para Proteção, continue lendo.

Nele você vai aprender sobre:

  • Quais são as características que podem interferir na seletividade de disjuntor?
  • E em uma instalação mais robusta?
  • A seletividade de disjuntor deve ser aplicada em qualquer instalação?
  • Mas como é possível, sendo que o disjuntor do circuito é de 100A e o disjuntor principal é de 250A?
  • Como entender se minha instalação está ou não correta?

 

Hoje nós vamos falar de Seletividade,para que você comece a entender e dominar este assunto.

Entenda que a seletividade pode ser estruturada de maneira a determinar a aplicação de um disjuntor, a fim de garantir a hierarquia de funcionamento.

E levando em consideração duas zonas de seletividade: a de sobrecarga e a de curto circuito.

Ou seja, cada disjuntor de uma instalação deverá estar apto a interromper o circuito mediante a estas duas zonas.

No entanto, dependendo do local da instalação onde ele se encontra, o seu acionamento vai obedecer algumas especificidades.

O mais comum é a seletividade na zona de curto circuito.

QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS QUE PODEM INTERFERIR NA SELETIVIDADE DE DISJUNTOR?

Seletividade de Disjuntor Caixa Moldada

Nós temos a seletividade por descriminação de corrente, o tempo de atraso na atuação da proteção, ZSI que é a seletividade por intertravamento de zona e a seletividade dinâmica que está relacionado a característica do disjuntor no modo limitador e a seletividade lógica.

Imagine o seguinte, em um sistema de proteção existe uma espécie de hierarquia onde cada disjuntor deve ser responsável por um tipo de proteção…

Esta hierarquia é a classificação que damos aos disjuntores:

Seletivos ou Limitadores, onde, de maneira geral, podemos dizer que o disjuntor que protege vários circuitos, são chamados de Disjuntores Seletivo e o disjuntor que está abaixo do seletivo é chamado de Disjuntor Limitador.

 

E EM UMA INSTALAÇÃO MAIS ROBUSTA?

Você vai encontrar por exemplo um disjuntor do tipo caixa aberta.

Você perceberá que ele tem o seguinte comportamento, a curva de atuação deste disjuntor tende a possuir um tempo de atuação maior, ou seja o tempo de disparo em um curto circuito será maior do que os demais disjuntores abaixo dele.

Agora, imagine que os circuitos protegidos pelo disjuntor seletivo, necessitam proteger as cargas que eles alimentam e em caso de um curto circuito, devem atuar mais rápido que o limitador.

Então, sabendo disso e considerando que o disjuntor caixa moldada 3VA está realizando este trabalho, podemos considerar que ele é um disjuntor limitador, que faz a proteção, atua mais rápido que o seletivo.

Talvez a pergunta que você esteja se fazendo agora é:

A SELETIVIDADE DE DISJUNTOR DEVE SER APLICADA EM QUALQUER INSTALAÇÃO?

A resposta é que existem situações que é imprescindível ter esta estrutura, situações onde o processo é crítico como um hospital ou mesmo um aeroporto.

Mas qual a importância de termos esta estrutura de seletividade?

Imagine que, se existe um problema em um circuito, e a seletividade está errada, ou seja, o tempo de disparo do disjuntor deste circuito está maior do que a proteção principal, quando houver o curto circuito, pode acontecer do disjuntor principal desarmar antes do disjuntor deste circuito propriamente dito.

Isso resultaria em paralisar todo o processo de alimentação de uma instalação ou conjunto de circuitos, causando custos incalculáveis se estivermos falando de uma planta fabril.

Talvez você pense o seguinte:

MAS COMO É POSSÍVEL, SENDO QUE O DISJUNTOR DO CIRCUITO É DE 100A E O DISJUNTOR PRINCIPAL É DE 250A?

O fato é que uma corrente de curto circuito é na verdade um valor abrupto (de alto valor de corrente em um instante de tempo) que pode ultrapassar os milhares de amperes.

Logo, este valor será maior do que os 100A ou os 250A e o que será mandatório para desarmar ou não o disjuntor, é o tempo que o fabricante determina em função do modelo e aplicação do disjuntor.

Só para você entender, o disjuntor 3WL, suporta níveis de corrente de curto circuito mais elevadas e possibilita atrasar a corrente de curto circuito fazendo com que o desarme, ocorra somente em casos extremos de exposição ao curto circuito em tempo elevado.

Claro que o risco que podemos ter, é o disjuntor limitador ser exposto a uma corrente muito alta de curto circuito e acabar danificando.

No entanto isso somente vai ocorrer em caso de falha do disjuntor ou de falha no dimensionamento por parte do projetista.

Leia também: https://www.saladaeletrica.com.br/disjuntores/


Quer saber mais sobre disjuntores? Deixa nos comentários.

Aqui na Sala da Elétrica nós temos o curso que está mudando a vida profissional de mais de 7 mil eletricistas ao redor do mundo, é o COEL. Nosso curso de Máquinas e Comandos Elétricos na Prática.

Um curso que vai te colocar em outro nível quando o assunto for manutenção elétrica, vai te colocar passos a frente no mercado de trabalho.

Para conhecer o curso que vai te tonar um Eletricista de manutenção bem sucedido, clique na imagem abaixo e dê o primeiro passo para tornar seu trabalho em outro nível.

Clique na imagem abaixo 👇

Se torne especialista conhecendo a teoria e a prática dos Comandos Elétricos

Everton Moraes

Professor, palestrante e instrutor de treinamentos a mais de 9 anos. Já passou por grandes empresas no Brasil como, Senai, Scania, Pirelli, Toledo entre outras. Todo o conhecimento adquirido em 20 anos de carreira é disponibilizado nos cursos e treinamentos.

“Sou apaixonado pela formação e qualificação de profissionais, passando todo o meu conhecimento prático e ajudando todos os meus alunos a também adquirirem esse conhecimento a se tornarem melhores profissionais.”

Deixe o seu comentário

9 − oito =

Receba mais conteúdos